4.5.11

Aumento de carga horária e a repercussão em Minas

SInd-Ute em campanha salarial

A previsão de aumentar a frequência nas salas de aula foi aplaudida por sindicatos de professores e de colégios particulares mineiros. Mas a proposta que amplia a carga horária foi alvo de duras críticas. “A medida pode gerar aumento de até 35% no valor da mensalidade, pois teremos de contratar funcionários e adequar a estrutura física para receber os alunos por mais tempo. Não vejo eficácia no projeto, pois a qualidade da educação não depende da quantidade de horas na escola, e sim de processos diferenciados de aprendizagem e de melhores condições de ensino”, diz o presidente do Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinep-MG), Emiro Barbini.

Na avaliação do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (Sind-Rede/BH), o ideal é que os esforços fossem concentrados na ampliação da escola integral, em que o aluno passa o dia na escola. “A impressão que temos é a de que o governo quer fazer da escola um depósito de crianças, sem dar estrutura para que projetos interessantes aconteçam. O calendário letivo já é apertado e aumentá-lo em 40 dias é inviável. Ampliar a carga horária diária também requer investimentos dos quais não dispomos hoje”, lamenta a diretora da entidade, Ednéia Rodrigues.

O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas (Sind-Ute) faz coro com as reclamações: “Essas medidas não podem estar desconectadas de políticas de melhoria da estrutura escolar e de valorização do professor. O PL não foi discutido com a sociedade civil e a carga horária nunca foi um problema na educação brasileira”, afirma a coordenadora-geral do Sind-Ute, Beatriz Cerqueira. O Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro) informa que é precipitado se posicionar sobre o assunto, mas alerta que há risco de sobrecarga para educadores e estudantes. As secretarias estadual e municipal de Educação preferiram não se pronunciar sobre o caso, já que o projeto ainda está em tramitação

Nenhum comentário: