25.1.12

Mercadante sugere residência para professores


Apesar de ainda incipiente, a ideia encantou secretários estaduais e municipais de educação


O novo ministro da Educação, Aluizio Mercadante, quer criar uma residência para estudantes de licenciatura - a exemplo do que ocorre com médicos. Em sua posse, na noite de terça-feira (24), Mercadante já começou a vender os programas em que deve investir na sua gestão. A "residência" dos professores deve ser sua peça central. A ideia, lançada no discurso.


"Só se forma o professor botando a mão na massa, na sala de aula", afirmou. A intenção do novo ministro é que o estudante de licenciatura, antes de ser aprovado para dar aulas em qualquer lugar, passe um período dentro das escolas públicas, como professor-assistente ou mesmo para apoio aos alunos.


Apesar de ainda incipiente, a ideia encantou secretários estaduais e municipais de educação. O novo ministro também quer ver os melhores professores das redes públicas dando aulas nas regiões e escolas com os piores índices de qualidade. A troca, afirmou, ajudaria a romper um ciclo vicioso em que os melhores professores recebem sempre as melhores escolas e os melhores alunos.


Essa mudança, no entanto, já não é tão simples. Até hoje nenhum Estado ou município e nem mesmo o governo federal encontrou uma fórmula para avaliar os professores e descobrir quais deles são os melhores. Qualquer forma de avaliação encontra uma ferrenha resistência dos docentes.


Mercadante também anunciou, no seu discurso, outras duas propostas que recebeu praticamente prontas de Haddad. Uma delas é o Pronacampo, um conjunto de projetos para tentar melhorar a educação no campo. Outro, chama-se Alfabetização na Idade Certa, uma proposta de centrar esforços na educação de crianças até oito anos, em fase de alfabetização. "Se essa criança não aprende a ler até os oito anos você corre um grande risco de perdê-la depois", afirmou o ministro.


E o Piso salarial que não está sendo cumprido em várias partes do Brasil, principalmente em Minas Gerais. Como Fica???

19.1.12

Governo de Minas divulga balanço positivo da educação no Estado em 2011

Os números revelados pelo governo mineiro sobre a educação no estado durante o ano que passou (2011), vem mais uma vez consolidar aquilo que todos já sabiam: o profissionalismo  dos servidores do setor, principalmente aqueles envolvidos diretamente com o alunado, ou seja o professor.
Ainda assim, falta algo que a sociedade precisa tomar ciência, o fato de ter nas fileiras da educação,  milhares de servidores descontentes, desmotivados, sentido-se impotentes diante de tantos desmandos por parte deste governo.
O Governo, usando de uma arbitrariedade sem precedentes contrariou mais de 153 mil servidores que optaram por permanecerem no sistema de remuneração que vigorava e que fazia parte de um plano de carreiras e salários aprovado ainda no governo Aécio Neves quando esse mesmo Anastasia se colocava na época como o "pai" do plano. Ele não levou nada disso em consideração, arrependeu-se, modificou o que havia proposto para a categoria, quebrando o prometido.
A opção foi uma sugestão deste próprio governo por ocasião da imposição do Subsídio (atual forma remuneratória) a todos os servidores, exceto aqueles que um dia foram efetivados através da famosa Lei 100/2008, que permitiu o ingresso no serviço público de aproximadamente 100 mil servidores sem concurso, e além deles os designados, ou seja que trabalhavam por força de contrato com tempo determinado.
Tentando fazer um afago, este governo age como morcego que morde e depois assopra. Hoje todos os servidores estão recebendo uma carta na qual ele "reconhece" o trabalho do profissional da educação, mas credita muito mais esses avanços às medidas governamentais, inclusive tentando convencer que quem está certo é ele, principalmente querendo mostrar que o subsídio é a redenção salarial dos professores, enquanto uma grande maioria se sente prejudicada, inclusive afirmando que essa forma remuneratório não passa de uma artimanha para driblar e burlar a Lei 11.738/2088 que criou o Piso Nacional Profissional da Educação.
Quem quiser conhecer o teor da carta na íntegra, acesse o link abaixo.

Link - Carta aos Servidores da Educação de Minas Gerais

18.1.12

Educação Tem Mercadante como Novo Ministro

                                          FOTO: VALTER CAMPANATO/ABR
Aloízio Mercadante (PT) Novo Ministro da Educação

A Secretaria de Comunicação Social da presidência anunciou nesta quarta-feira que Aloizio Mercadante vai substituir Fernando Haddad na chefia do Ministério da Educação. Haddad vai deixar o governo para disputar a Prefeitura de São Paulo pelo Partido dos Trabalhadores.
Mercadante ocupa atualmente o cargo de Ministro da Ciência e Tecnologia, que vai ser ocupado pelo presidente da Agência Especial Brasileira, Marco Antônio Raupp.
A nota confirma também a marcação da primeira reunião ministerial para a próxima segunda-feira (23) , com a participação tanto de Raupp quanto de Haddad. A posse dos novos ministros vai acontecer no dia seguinte, terça-feira (24). 

Diante dessa notícia, crescem as esperanças dos servidores da educação, principalmente do estado de Minas Gerais, onde o Governo Anastasia criou uma forma de remuneração que não agradou os funcionários e por outro lado, burlou a essência do PSNP que tratava-se de salário-base mais vantagens como biênios e quinquênios e outros previstos num plano de carreira, vantagens essa confiscadas pelo novo sistema de remuneração em Minas que ele chamou de Subsídio.

6.1.12

Fidel Castro diz que mundo caminha para o abismo



Ex-Presidente cubano Fidel Castro        



JEFF FRANKS - REUTERS
O ex-líder cubano Fidel Castro disse na quinta-feira que a humanidade estava em uma "marcha rumo ao abismo", que ele atribuiu, em parte, à descoberta e exploração de grandes reservas do chamado "gás de xisto" pelo mundo.
O gás de xisto é um gás natural proveniente de formações rochosas, que na década passada foi encontrado em abundância pelo mundo e agora é considerado a mais importante fonte de energia no futuro.
Fidel, de 85 anos, escreveu em uma de suas colunas na mídia estatal cubana que "inúmeros perigos nos ameaçam, mas dois deles -- a guerra nuclear e a mudança climática -- são decisivos e ambao estão cada vez mais distantes de uma solução".
Ele disse que apenas recentemente havia tomado conhecimento do fenômeno do gás de xisto, que provocou uma grande alta nas perfurações em algumas partes dos Estados Unidos. Ao perguntar a alguns conhecidos tanto em Cuba como no exterior sobre a questão, "nenhum deles tinham ouvido falar qualquer coisa sobre isso".
A produção de gás de xisto é criticada por ambientalistas por exigir um processo extenso de "fraturamento hidráulico", que usa água, areia e químicos para fraturar a rocha onde o gás está contido e assim permitir que vaze para fora do poço. O fraturamento hidráulico, segundo os críticos, contamina as fontes de água subterrâneas e pode causar outros problemas.
Fidel apoiou os críticos, citando relatórios sobre os efeitos negativos do fraturamento hidráulico e pesquisas indicando que o gás de xisto emite mais gases de efeito estufa do que o gás por poços convencionais.
Fidel disse que estava tão decidido a divulgar o alerta que deixou transcorrer "os dias festivos do velho e do novo ano" para escrever a coluna.
Foi a primeira coluna que o ex-líder cubano escreveu desde 13 de novembro, e foi publicada após rumores terem circulado no Twitter na segunda-feira de que ele havia morrido. 

5.1.12

La Niña pode durar até maio, dizem meteorologistas



ORLANDO, Estados Unidos, 5 Jan (Reuters) - O fenômeno climático La Niña, responsável por uma forte seca neste ano na América do Sul e no sudoeste dos Estados Unidos, pode durar mais do que o previsto, talvez até maio, alertou na quinta-feira o Centro de Previsão Climática dos EUA.
"As últimas observações... sugerem que o La Niña será de fraco a moderado neste inverno (boreal), e vai continuar depois disso como um evento fraco, até que deve se dissipar em algum momento entre março e maio", disse o CPC em seu relatório mensal.
Foi a primeira vez que o CPC cogitou a hipótese de que o La Niña persista até a primavera boreal. Os meteorologistas antes esperavam que o fenômeno, que já causa preocupação nos mercados de grãos, oleaginosas, açúcar e café, persistisse durante o inverno boreal.
No relatório anterior, o CPC (ligado à Administração Nacional Oceânica e Atmosférica) disse que o La Niña perderia força no começo da primavera.
O fenômeno, que pode durar vários anos, se deve ao aquecimento anormal das águas na região equatorial do oceano Pacífico - é o contrário do famoso El Niño. Ambos causam transtornos climáticos da América Latina à Índia, e talvez também na África.
Uma seca prolongada pode causar problemas para agricultores em vários Estados dos EUA, numa faixa das Carolinas ao Kansas. Oklahoma e Texas já estão com seus solos esgotados devido à seca, e a persistência do La Niña pode significar mais uma safra ruim para o algodão texano.
Mesmo antes da divulgação do alerta do CPC, a previsão da safra argentina de milho para 2011/12 já havia sido revista para baixo por causa do La Niña. Mesmo assim, a Argentina, segunda maior produtora mundial de milho, deve colher uma safra recorde.
Na Malásia, importante exportador de óleo de palma, fortes chuvas de monções causadas pelo La Niña ameaçam prejudicar a colheita dos frutos, elevando a cotação do produto.
As chuvas no período de dezembro a março também constituem uma ameaça para os cafeicultores da Colômbia, maior produtor mundial de cafés de qualidade.
A persistência do La Niña até depois do inverno boreal também fará com que o fenômeno quase coincida com o início da temporada de furacões no Atlântico. Nos últimos dois anos em que houve La Niña, mais tempestades se formaram.
(Reportagem de Rene Pastor) Agência Reuters/news

4.1.12

Ministro vai anunciar novo reajuste para o Piso Salarial dos Professores


Ministro da Educação Fernando Haddad

 ministro da Educação, Fernando Haddad (PT), deve anunciar até o dia 15 de janeiro um novo reajuste do piso nacional dos professores.

O aumento, que de 2010 para 2011 foi de 15,85%, este ano pode ser de até 22%. Assim sendo, de acordo com a projeção de arrecadação de impostos feita pelo Tesouro Nacional, o piso salarial dos professores brasileiros deve chegar a R$ 1.450,86 em 2012.

Isso promete causar polêmicas entre governantes estaduais e municipais. Como se sabe, apesar de previsto em lei, o salário ainda não é cumprido por todos os Estados e municípios, cujos seus governantes alegam falta de recursos para pagá-lo.

Vale salientar, no entanto, que o valor ainda pode sofrer alteração. O reajuste do piso salarial é calculado com base no valor mínimo gasto por aluno segundo o Fundeb.

O ministro planeja anunciar o patamar de reajuste do piso nacional que pode atingir 22% de 2010 para 2011, o salto foi de 15,85%.

Em Minas Gerais, essa política do Piso Salarial Nacional foi mutilada pelo atual governo que confiscou vantagens adquiridas ao longo das carreiras pelos servidores, incorporando-as a um salário-base que vigorava num Plano de Carreira e fazendo assim, um montante, que ele o denominou de subsídio, subsídio este que segundo oi próprio governo supera o atual PSN, o que não concorda os profissionais.

Para se chegar a tal forma de pagamento, o governo mineiro propôs aos professores a opção de permanecer na carreira antiga ou aderir à nova forma de pagamento, só que, o número de professores que optaram por permanecerem  na antiga forma de pagamento com um salário base mais as vantagens, tais como biênios e quinquênios, foi de mais de 153 mil servidores, sem levar em conta que esta mesma oportunidade de opção foi vedada aos designados e efetivados pela PEC 100/2008, que só aí são aproximadamente 100 mil.

1.1.12

Um Pouco de Zé Côco do Riachão

Anastasia paga conta com o suor do povo de Minas


Choque de gestão dos tucanos: Anastasia paga conta do apoio na eleiçao de 2010

Depois de anunciar déficit zero e registrar crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) a patamares próximos aos da China, o governo mineiro passa por sérios problemas de caixa. O Executivo alega que as dificuldades são resultado da queda na atividade econômica causada pela crise internacional. Mas paga também a fatura eleitoral de 2010, com liberação de recursos e criação de cargos para acomodar aliados dos 12 partidos arregimentados para apoiar a reeleição do governador Antonio Anastasia (PSDB) e a eleição do ex-governador, o também tucano Aécio Neves, a uma vaga no Senado.

O Estado já anunciou uma série de medidas para contenção de gastos como a dispensa de funcionários da Cidade Administrativa, sede do Executivo, e determinou até redução do consumo de copos plásticos e o fim do contracheque de papel do funcionalismo. O governo tucano  também deixou para 2012, dividido em duas parcelas, o pagamento do prêmio de produtividade dos trabalhadores, que, desde quando foi instituído em 2008, era depositado sempre em setembro.

Além disso, fez com que a Assembleia Legislativa, onde tem folgada maioria, adiasse a votação de projetos de reajuste para servidores dos tribunais de Justiça, da Justiça Militar, do Tribunal de Contas do Estado e dos próprios Executivo e Legislativo.

Também vem adotando medidas para aumentar a arrecadação, como o aumento nos valores do reboque e das diárias de veículos apreendidos e a criação de uma nova taxa que incidirá sobre a mineração, uma das principais atividades econômicas do Estado, todas aprovadas pelos deputados mineiros às vésperas do recesso parlamentar.


Eleições. 

Mas a farra eleitoral promovida em 2010 também cobra seu preço. Apenas entre 1.º de junho e 2 de julho de 2010, às véspera das eleições, o governo gastou R$ 354 milhões em 3.063 convênios firmados com prefeituras. O valor é maior que os repasses feitos pelo Executivo durante 2009. Somando todos os convênios com municípios firmados no ano eleitoral, o desembolso chegou a R$ 954 milhões, valor 270% superior aos R$ 353 milhões liberados em 2009.

Outro golpe nos cofres públicos foi a criação de cargos para saciar o apetite dos aliados dos 12 partidos reunidos em torno das candidaturas tucanas. Ao assumir o mandato, Anastasia recebeu da Assembleia poderes para editar leis delegadas que podiam alterar toda a administração estadual sem necessidade de aprovação pelos deputados.

Em seu primeiro ato administrativo, o governador assinou decreto com a criação de três novas secretarias de Estado, além das secretarias extraordinárias da Copa do Mundo, de Gestão Metropolitana e de Regularização Fundiária. E a sangria deve aumentar. O recém-criado PSD também já cobra cargos no Executivo para integrar a base de apoio de Anastasia.

O governo não informou quantos novos cargos foram criados no total, mas apenas a lei delegada 182 cria 1.314 cargos comissionados até 2014, o que representa acréscimo de 7,5% nos 17,5 mil cargos comissionados no Executivo mineiro.

E os gastos com pessoal devem aumentar ainda mais, já que a Assembleia, no penúltimo dia dos trabalhos legislativos do ano, também aprovou projetos do governo que autorizam o Executivo a criar subsidiárias da Minas Gerais Participações S/A, do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais e da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), inclusive com a contratação de quadro de pessoal próprio por meio do regime da CLT.

Pressão. 

Apesar das medidas para redução de gastos, Anastasia afirmou que "nesse momento, aparentemente, não há necessidade de cortes de cargos comissionados". "Nós podemos evitar substituições", disse.

Já Leonardo Colombini alegou que a criação desses cargos representou gasto "insignificante" diante do desembolso com os mais de 410 mil servidores. O secretário lembrou que houve crescimento da folha bem acima da receita por causa da concessão de reajustes a algumas carreiras que ficaram anos com os vencimentos congelados. Do Jornal O Estado de São Paulo.

fonte: extraído do portal Amigos do Presidente Lula