7.9.12

Unimontes é apenas a 90ª colocada no ranking das melhores do Brasil




Aos poucos a máscara desse desgoverno que se instalou no estado de Minas vai caindo. Pena que para isso  a sociedade tenha de pagar um preço muito alto. 
Há tempos a educação do nosso estado vem às custas de maquiagens grosseiras enganando toda uma população com notas lá nas alturas, quando todos sabem que estamos cheios de alunos formando um ensino médio muitas das vezes sem saber escrever ou ler com desenvoltura. Não pode se afirmar, mas as escolas de níveis básico de Minas Gerais têm aprovação automática. Profissionais da educação não gozam do reconhecimento governamental que através de manobras judiciais e até mesmo com autoritarismo vem lhes prejudicando sistematicamente,  haja visto, o que se cometeu com a Lei 11.738/2008 que regulamenta o Piso Salarial Nacional dos Professores, que não quero aqui nesse momento relembrar.
Em Montes Claros, o orgulho da educação é sem dúvida nenhuma a nossa Unimontes - Universidade de Montes Claros, que para surpresa do povo da região, viu o nome da instituição figurar numa posição no ranking nacional que não condiz com seu passado.
No ranking da pesquisa elaborado por conceituado jornal paulista que mostra as melhores universidades do país, temos a USP em primeiro lugar, seguida da UFMG e em terceiro a UFRJ. A UnB do Darci Ribeiro ficou em 8º lugar e numa lista de 191 universidades distribuidas em 188 posições(houve alguns empates), a Universidade  Estadual de Montes Claros - Unimontes -  ficou em 90º lugar.
Os ítens considerados foram a Qualidade de pesquisa, Avaliação de mercado, Qualidade de ensino e indicador de inovação, deram a pontuação final.

Ranking lista as 10 melhores universidades do Brasil

6.9.12

Financiamento estudantil poderá ser estendido em até dois semestres


                                                                                                Repórter da Agência Brasil


Brasília – O prazo do financiamento estudantil concedido por meio do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies) poderá ser ampliado por até dois semestres consecutivos. O aluno continuará a receber o financiamento, caso precise de mais tempo para concluir o curso. Isto ocorre em função de reprovação em uma matéria, doenças e outras situações que impliquem afastamento das aulas. 
Portaria publicada hoje (5) no Diário Oficial da União estabelece que o pedido de dilatação do prazo poderá ser feito pelo estudante entre o semestre previsto para encerramento do curso e o primeiro trimestre do período referente à ampliação. O pedido precisa ser validado pela Comissão Permanente de Supervisão e Avaliação (CPSA) em até cinco dias.
“Para cada semestre a ser dilatado, o estudante deverá efetuar solicitação no SisFies [Sistema Informatizado do Fies], devendo a primeira ocorrer a partir do semestre seguinte ao término de utilização do financiamento, observado o limite de até dois semestres consecutivos”, informou o Ministério da Educação.
Havendo validação da solicitação de ampliação do prazo, o estudante deverá comparecer à CPSA para assinar o Documento de Regularidade de Dilatação (DRD), impresso em duas vias – uma destinada ao estudante e a outra, à própria CPSA.
Durante o período de dilatação do financiamento, a realização de transferência só poderá ocorrer em casos de mudança de instituição de ensino para conclusão do curso financiado e desde que a quantidade de semestres a cursar não ultrapasse o prazo máximo permitido para ampliação. O estudante não poderá efetuar transferência de curso e de instituição de ensino em um mesmo semestre.
A ampliação do prazo de utilização do financiamento, segundo o MEC, não será considerada no cômputo do prazo de amortização do financiamento.

Edição: Beto Coura